A educação da não violência

A Educação da Não Violência
Será que uma boa palmada ou um grito bem dado são atos de educação? Mas como um ato de violência pode ser bom? Sim, porque uma palmada é uma violência física, não importa se leve ou forte, assim como um grito agride não apenas os ouvidos, mas também a alma. Pais e professores confundem regras e disciplinas, ou limites, com imposição, coação, esquecendo que a melhor disciplina, o melhor respeito não é aquele que é imposto, mas o que é compreendido.

Gandhi, o apóstolo da não-violência, trabalhava a formação da consciência através do ensino paciente, da auto-disciplina e do exemplo próprio, pois no seu entender - e no nosso também - não é possível implantar a paz nos indivíduos e no mundo através de leis, decretos e ordens de cima para baixo, do mais forte para o mais fraco, mas somente através dos atos, palavras e pensamentos de paz de quem promove a própria paz, daí a campanha da não-violência.

E quem são os mais fracos, senão os filhos e os alunos? E quem são os mais fortes, senão os pais e os professores? O diálogo aberto e construtivo, explicando os porquês da vida, inclusive da vida de relação humana, colocando em primeiro plano a formação do caráter; as demonstrações de afetividade para desenvolvimento da empatia, do emocional, direcionando o uso da inteligência; o estabelecimento de regras de convivência em comum acordo; são os caminhos para a paz e a não violência, o respeito e a convivência sadia.

E o que fazer, perguntarão, com aquelas crianças rebeldes, que nada respeitam? Aconchegá-las em nosso coração, demonstrar-lhes paciência, fazer com que participem dos processos de trabalho e tomada de decisão, dar-lhes responsabilidades diante da coletividade, são outros caminhos que, com o tempo, alcançarão o resultado, pois consciência alguma é formada através de pancadas, gritos e outras atitudes desse mesmo nível. Façamos no lar e na escola ampla campanha pela não-violência, pelo estabelecimento da paz e, começando por nós mesmos: Eduquemo-nos!




Marcus De Mario

Texto selecionado pelo IBEM - Instituto Brasileiro de Educação Moral. Sua reprodução é incentivada para distribuição às autoridades públicas de todos os níveis, em todos os países e também para os educadores em geral. Traduza o texto para outras línguas. Re-envie. Solicitamos apenas citar a fonte de origem.